quinta-feira, 8 de julho de 2010

Missão Cumprida



A madureza sabe o preço exato
dos amores, dos ócios, dos quebrantos,
e nada pode contra sua ciência
e nem contra si mesma. O agudo olfato,
o agudo olhar, a mão, livre de encantos,
se destroem no sonho da existência.

A ingaia ciência - Carlos Drummond de Andrade

Acordaram e não sabiam mais sobre os seus sentimentos, um misto de desesperança, comodismo e uma preguiça inexplicável de um recomeço.  Olharam-se e não fingiram mais abraços, nem beijos e muito menos discursaram sobre como era bom estar ali. Ele levantou e vestiu a primeira blusa que apareceu na frente e ela continuou deitada, olhou para o teto e agradeceu ao deus de gesso por ter tirado o marido da cama. Ele perguntou se ela não iria levantar e ela sem resposta continuou fitando o teto do quarto que um dia testemunhou as mais ardentes carícias de um casal apaixonado. Ele se despediu, disse para ela ficar bem e se por acaso precisasse de alguma coisa que o procurasse, pois ele sempre estaria a sua espera. Ela permaneceu muda, virou de lado na cama e abriu o livro de cabeceira na página 127 da obra mais recente de Charles Gabriel: “Adeus, companheiro!”.

8 comentários:

  1. Tá tudo tão insosso, que até os amores que poderiam ser uma cumplicidade e uma reciprocidade em torno de algo comum está virando uma espécie de compromisso de início , meio e fim pre-determinados. Muito bom! Abraços.Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Você criou uma situação para nos mostrar uma outra. Gostei disso.

    Carinho, menina.
    Bom te ver lá no Equador.

    Continuemos...

    ResponderExcluir
  3. querida, tô quase sem tempo, um saco isso. queria ler mais os outros. queria ler mais vc.

    mas vim aqui só para atentá-la qto ao livro (do trecho q coloquei lá no meu blog). ele nem é tããão bom assim, peguei pra lê-lo pq ouvi falar horrores, mas há melhores certamente.

    esse trecho é o supra-sumo do livro, não a toa quis compartilhar! :o)

    mas, se vc é como eu, e gosta de ter sua própria opinião, vai funda, compre, leia e depois troquemos figurinhas! :o)

    bjs!

    ResponderExcluir
  4. Lisa,

    O blog Homens Hediondos convida você a fazer parte de sua troupe.

    A intenção é tentar fazer e expôr literatura de fôlego e de qualidade na blogosfera.

    Acesse o endereço virtual www.homenshediondos.blogspot.com,

    leia o Manifesto Foetibundus e veja se você pode e/ou quer ser um de nós.

    Para maiores detalhes, envie e-mail para germanoxavier@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Saudações, Lisa.

    temos um problema de falta de dias da semana para todos os que disponibilizaram em participar. Mas problemas existem para serem selecionados, não?
    A quarta e a quinta já tem "dono", digamos assim, só estou esperando os dois hediondos "machos" mandarem as fotos e a biografia.
    enfim, 7 hediondos. Mas vamos criar mais dois dias da semana, uma para você e outro para o Waldemir, outro interessado.
    Como não será obrigatório postagens seguidas, certeza que haverá dias que um dos hediondos "normais" não postará nada. É aí onde vocês (os Hediondos 8 e 9) entram com tudo, entendes? Assim o blog também terá mais movimentação, creio.

    Caso topes, mande uma foto tua e uma minibriografia para eu arrumar o blog agora mesmo e te inserir.
    Prazer imenso tê-la conosco, mestre.

    Sigamos.
    Homem Hediondo n° 5

    ResponderExcluir
  6. Se o texto tivesse trilha sonora, com certeza, Chico estaria cantando: "Hoje a gente nem se fala, mas a festa continua..." Abri o sorriso com o "Deus do gesso". Muito massa o texto.

    ResponderExcluir
  7. E ao final, (o irônico é pensar que) histórias assim deixam marcas, justamente por tudo que se viveu.
    Ou talvez, o valor das coisas, decorra justamente da sua transitoriedade e fim.

    Belo texto, Lisa, palavra aguda.


    P.S.

    Obrigada pelas palavras.


    grande abraço

    ResponderExcluir