terça-feira, 30 de março de 2010

Infinito Aberto

Rezarei a prece dos desesperados – para comprometer-me com Deus antes que ele desconfie que não acreditamos um no outro. As ruas são segmentos de retas que levam-me ao infinito aberto e o criador dessas linhas não interrompe o passo de quem caminha para o lado oposto. Eu caminho e o infinito deixo para os sem destino. E Ele permite, dando assim a última voz de comando. É incrível como não podemos fugir de seu traço, somos prisioneiros de um mundo real, de uma reta real, de organismos reais, de dimensões reais. Não sei onde o tempo faz sua curva, só posso ter uma vaga idéia. E a sensação de realidade termina quando estendo a mão e a visão de meus dedos é consumida por uma outra realidade que não faz parte da minha. E nesse instante mágico ou ilusório consigo tocar fios de cabelo que ainda existirão.

12 comentários:

  1. Interessante texto, moça. Andou sumida. Bom ver-te aqui de novo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Oi Lara, estou com pouco tempo para net, iniciei novos estudos e isso tem tomado parte do meu tempo. Mas abandonar aqui, jamais!rs beijo e valeu pela visita

    ResponderExcluir
  3. "antes que ele desconfie que não acreditamos um no outro"

    Sensacional este trecho específico. Eu tenho a certeza que ele já superou esta necessidade - para comigo...

    Saudações!

    ResponderExcluir
  4. Agradeço a visita e mais do que isso, agradeço por me possibilitar conhecer o trabalho do Valete que vi no seu outro blog, muito bom mesmo!

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. oi lisa.eu vivo a desconfiar da realidade de tao absurda que é parece pesadelo....resta-me dividir com outros ess meu espanto.abraço

    ResponderExcluir
  6. engraçado, sempre percebi meu caminho como espiralado. sempre dando voltas, sempre cíclico, mas nunca pra parar num mesmo lugar e, sim, como um espiral, movimentando-se e deslocando-se para lugares diferentes dos quais passei.

    arrisco em dizer que meu instante ilusório seria a visualização de um caminho reto, sem neblina, pedras nem outros obstáculos.

    beijos!

    ResponderExcluir
  7. belo texto reflexivo e poético. gosto desses diálogos com Deus, ou com sua inexistência

    abraços e obrigaod pela visita ao Casa de Paragens

    ResponderExcluir
  8. Um texto que espeta, Lisa.
    Vou levá-lo comigo e meditar sobre tudo.
    bjo

    ResponderExcluir
  9. Texto perfeito.
    Disse tudo garota.

    Beijoos.
    =D

    ResponderExcluir
  10. Maravilhosa a sua prosa, me identifico muito com ela.

    beijos

    ResponderExcluir
  11. Menina, você é um furacão! Andei lendo alguns dos seus posts, postando em mais alguns, e fiquei encantada com a maneira que você lida com as realidades.

    Seu blog é ótimo. Sigo e linko, viu?

    Parabéns pela sensível intensidade.

    Beijomeupravocê

    ResponderExcluir
  12. Nossas imoladas ilusões possíveis.
    Hei de ir, hão de ir. Nós. Como nós.

    ResponderExcluir